Topic
 

climatologyMeteorologyAtmosphere

142 record(s)
 
Type of resources
Available actions
Topics
Categories
Keywords
Contact for the resource
Provided by
Years
Representation types
Update frequencies
status
Scale
From 1 - 10 / 142
  • Categories  

    A qualidade do ar é monitorada no Rio de Janeiro desde 1967, quando foram instaladas as primeiras estações manuais de amostragem da qualidade do ar. Desde então, várias ações de controle foram desenvolvidas e o Inea passou a exigir das atividades de fonte fixa que poluiam a atmosfera, o monitoramento da qualidadedo ar e um programa de autocontrole nos processos de licenciamento ambiental. Esse mapeamento é importante para auxiliar na identificação e priorização de problemas ambientais e na formulação de políticas e metas, visando garantir o desenvolvimento sustentado no Estado; além de facilitar a tarefa de transformar as demandas da sociedade em objetos da gestão ambiental, contribuindo para o planejamento e implementação de planos de ações e metas na localidade monitorada e para a divulgação dos resultados dos estudos e avaliações técnicas.A definição de uma rede de monitoramento otimizada considera as fontes que podem influenciar nas concentrações de poluentes analisados, a população exposta e a área de abrangência de cada estação. Atualmente, as estações foram classificadas quanto sua abrangência considerando a escala espacial de representatividade; quanto ao tipo: manual ou automático, industrial ou veicular; e quanto ao estado do índice de qualidade do ar gerado, que considera padrões que não podem ser excedidos num determinado tempo e numa certa áreae que são definidos como os que podem, uma vez ultrapassados, afetar a saúde, a segurança e o bem-estar da população, bem comoocasionar danos à flora e à fauna, aos materiais e ao meioambiente em geral; e, de acordo com o tempo de exposição, são classificados como de curto ou longo período, em função dos danos causados.

  • Velocidade do Vento a 150 m de altura obtidas a partir do Global Wind Atlas 3.0, um aplicativo gratuito desenvolvido, pertencente e operado pela Universidade Técnica da Dinamarca, (DTU). O Global Wind Atlas 3.0 foi lançado em parceria com o grupo Banco Mundial, utilizando dados fornecidos pela Vortex, e usando financiamento fornecido pelo Programa de Assistência à Gestão do Setor de Energia (ESMAP). Para informações adicionais, acesse: https://globalwindatlas.info

  • Categories  

    Este layout tem por objetivo dar suporte as previsões diárias para três dias na abrangência do CENSIPAM/CR-PV.

  • Categories  

    O indicador de longo período de exposição consiste na adoçãodos critérios de determinação do grau de saturação do ar, visandoà implantação de metas de redução de poluentesatmosféricos. Após essa caracterização, e de seu respectivo grau de severidade,é realizada a associação destesresultados com a classificação do Índice de Qualidade do Ar. O indicador de longo período de exposição refere-se à exposiçãopersistida, por um período de três anos, para poluentes quepossuam padrão anual de qualidade do ar. Este indicador, além de identificar áreas prioritáriasàs ações de controle da poluição do ar, constitui-se eminstrumento basilar àimplementação da gestão da qualidade doar, visto que reflete os níveis de poluição a que a população seencontra permanentemente exposta.

  • Categories  

    Este dado espacial refere-se a aptidão climática para a cultura da cana-de-açúcar na área das vertentes litorâneas da Paraíba durante o cenário regular em formato shapefile (polígonos).

  • Categories  

    Este dado espacial refere-se a aptidão climática para a cultura do sorgo na área das vertentes litorâneas da Paraíba durante o cenário regular em formato shapefile (polígonos).

  • Categories  

    Base vetorial representando o trimestre menos chuvoso por município no estado do Piauí em um período de 29 anos. Shapefile preparado pela Embrapa Algodão no QGis, usando delimitações territoriais de mapas disponíveis no IBGE. As validações foram realizadas com informações dentro dos limites do semiárido contidas no IBGE (Instituto Brasileiro de Geografía e Estatística), INPE(Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e INSA (Instituto Nacional do Semiárido) com a classificação do semiárido de acordo com suas limitações topográficas e de solo, bem como a aptidão agrícola do mesmo. Links úteis: IBGE: https://mapas.ibge.gov.br/tematicos; INPE: http://bancodedados.cptec.inpe.br; INSA: http://sigsab.insa.gov.br/acervoDigital Escala: 1:3.500.000. Adaptado de: IBGE (2016); CPRM (2016); INPE (2017).

  • Categories  

    Base vetorial representando o trimestre menos chuvoso por município no estado da Paraíba em um período de 29 anos. Shapefile preparado pela Embrapa Algodão no QGis, usando delimitações territoriais de mapas disponíveis no IBGE. As validações foram realizadas com informações de limites do semiárido contidas no IBGE (Instituto Brasileiro de Geografía e Estatística), INPE(Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), AESA(Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba) e INSA (Instituto Nacional do Semiárido) com a classificação do semiárido de acordo com suas limitações topográficas e de solo, bem como a aptidão agrícola do mesmo. Links úteis: IBGE: https://mapas.ibge.gov.br/tematicos; INPE: http://bancodedados.cptec.inpe.br; INSA: http://sigsab.insa.gov.br/acervoDigital Escala: 1:1.500.000. Adaptado de: IBGE (2016); CPRM (2016); INPE (2017).

  • Categories  

    Este dado espacial refere-se a aptidão climática para a cultura do milho na área das vertentes litorâneas da Paraíba durante o cenário chuvoso em formato shapefile (polígonos).

  • Categories  

    Base vetorial representando o trimestre menos chuvoso por município no estado de Sergipe em um período de 29 anos. Shapefile preparado pela Embrapa Algodão no QGis, usando delimitações territoriais de mapas disponíveis no IBGE. As validações foram realizadas com informações dentro dos limites do semiárido contidas no IBGE (Instituto Brasileiro de Geografía e Estatística), INPE(Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e INSA (Instituto Nacional do Semiárido) com a classificação do semiárido de acordo com suas limitações topográficas e de solo, bem como a aptidão agrícola do mesmo. Links úteis: IBGE: https://mapas.ibge.gov.br/tematicos; INPE: http://bancodedados.cptec.inpe.br; INSA: http://sigsab.insa.gov.br/acervoDigital Escala: 1:1.000.000. Adaptado de: IBGE (2016); CPRM (2016); INPE (2017).